Sandra Olivença : Hipnose Clínica, Massagem Quântica e Reiki, Constelações Familiares
www.sandraolivenca.com

 



Visite-me no Facebook



















PARTILHAS DE LEITURA :: Textos « anterior
Os Princípios Herméticos
As Leis da Sabedoria
 

As sete leis da sabedoria ou os Princípios Herméticos
 

 :: Graziella Marraccini ::
 

Em março de 2004 a revista feminina CLAUDIA publicou um artigo sobre as Sete Leis da Sabedoria, com o intuito de fornecer aos leitores alguns conselhos que podem ajudar as pessoas a melhor enfrentar os percalços que permeiam os caminhos da vida. A jornalista o escreveu sob minha orientação e creio que, apesar da abrangência do assunto não poder ser resumida em tão poucas linhas, tenho a certeza que muitas pessoas puderam se beneficiar dos conselhos ali contidos.
Neste artigo, e nos que publicaremos nas próximas semanas, tentarei explicar melhor o que eles significam e como podemos utilizá-los em nosso dia-a-dia.

Hermes Trismegisto, o Três Vezes Grande, era considerado pelos Egípcios o Mensageiro dos Deuses, por ter transmitido os ensinamentos a este grande povo da antigüidade e ter implantado a tradição sagrada, os rituais sagrados, e os ensinamentos das artes e ciências em suas Escolas da Sabedoria. A medicina, a astronomia, a astrologia, a botânica, a agricultura, a geologia, a matemática, a música, a arquitetura, a ciência política, tudo isso era ensinado nessas Escolas e em seus livros, que segundo os gregos somavam 42. Entre eles se encontra "O Livro dos Mortos" que é também chamado de "O Livro da Saída da Luz". A Ciência Hermética é baseada em seus ensinamentos e comprova com seus preceitos, que o Grande Hermes veio transmitir para a humanidade uma Sabedoria Divina, até hoje mal compreendida apesar de amplamente comprovada.

A Filosofia Hermética se baseia nos Princípios Herméticos incluídos no livro "O Caibalion", (Três Iniciados - Livraria Pensamento) e parece destinada a plantar uma semente de Verdade no coração dos sábios, que perpetuam e transmitem os seus ensinamentos. Em todas as civilizações sempre existiram ouvidos atentos a estes preceitos. Como diz o próprio Caibalion:

Em qualquer lugar que se achem os vestígios do Mestre,
Os ouvidos daqueles que estiverem preparados para receber
O seu Ensinamento, se abrirão completamente.
Quando os ouvidos do discípulo estão preparados para ouvir,
Então vêm os lábios para enchê-los de sabedoria".


Porém o Caibalion nos ensina também que:
"Os lábios da Sabedoria estão fechados, exceto aos ouvidos do Entendimento".

O Caibalion nos foi transmitido pela Tradição Hermética e reúne os ensinamentos básicos da Lei que rege todas as coisas manifestadas. A palavra Caibalion, na língua hebraica significa tradição ou preceito manifestado por um ente de cima. Esta palavra tem a mesma raiz da palavra Qabala (Cabala), ou Qibul, ou Qibal, que em hebraico, significa tradição.

A maior das Lojas dos Místicos (Templos de Iniciação) foi estabelecida no antigo Egito e foi por suas portas que entraram os Neófitos que, mais tarde, como Hierofantes, Adeptos e Mestres, se espalharam por todas as partes da terra, levando consigo o precioso conhecimento que possuíam, afim de ensiná-lo àqueles que estivessem preparados para compreendê-lo. È dessa mesma fonte que os Essênios beberam, e portanto Jesus também.

Em nossos dias o termo 'hermético' significa secreto, fechado de tal maneira que nada escapa, significando que os discípulos de Hermes sempre observavam o princípio do segredo nos seus preceitos. Os antigos instrutores pediam este segredo, mas nunca desejaram que os ensinamentos não fossem transmitidos. Não instituíram uma religião, de forma que estes princípios pudessem ser aproveitados por todos mas não pertencessem a nenhum credo. De fato, os 'Princípios Herméticos' são baseados nas Leis da Natureza, e como tais pertencem somente à Ordem Divina.

"As doutrinas sempre foram transmitidas de 'Mestre à Discípulo', de Iniciado à Hierofante, dos lábios aos ouvidos. Ainda que esteja escrita em toda parte, sua verdade foi propositadamente velada com os termos da alquimia e da astrologia, de modo que só os que possuem a chave podem-na ler bem". (O Caibálion).

Os Sete Princípios (ou Sete Leis) em que se baseia a Filosofia Hermética são os seguintes:

I - O princípio de Mentalismo
II - O princípio de Correspondência
III - O princípio de Vibração
IV - O princípio de Polaridade
V - O princípio de Ritmo
VI - O princípio de Causa e Efeito
VII - O princípio de Gênero


 

A Primeira Lei revela o Principio do Mentalismo:

"O TODO é MENTE; o Universo é Mental"

Este é sem dúvida o mais importante de todos os princípios, já que nele estão contidos todos os outros. O TODO (ou seja a realidade que se oculta em todas as manifestações de nosso universo material) é Espírito, Incognoscível e Indefinível em si mesmo, mas pode ser considerado como uma Mente Vivente Infinita Universal. "Compreendendo a verdade da Natureza Mental do nosso Universo o discípulo estará bem avançado no Caminho do Domínio", escreveu um velho mestre do Hermetismo. Estas palavras continuam atuais e verdadeiras e são a chave para a nossa compreensão das regras e Leis que regem nosso universo material.

Observaremos que, se o Universo é Mental e nós existimos na Mente do Todo, como tais, nós somos seres mentais e criamos com a nossa mente, à imagem e semelhança do Todo, conforme explica o Segundo Princípio. A mente nada mais é que um complexo aglomerado de impulsos energéticos, capazes de enviar mensagens, não somente ao nosso próprio corpo, mas também fora dele. Todos já experimentamos aquela sensação de 'sermos observados' mesmo se nada podemos ver com nossos olhos físicos. É bem possível que essa sensação seja a conseqüência de um olhar mental (de impulsos energéticos) enviado por outra pessoa que naquele momento desconhecemos.
Por outro lado, a sabedoria popular nos ensina que 'a inveja mata'. Como é possível? O que pode fazer um olhar invejoso? A energia negativa gerada pela mente de uma pessoa maldosa pode interferir em nossa própria energia mental e física. Quem já não experimentou isso?

Podemos então compreender que nossa mente, feita à imagem e semelhança do TODO, pode também criar, coisas positivas e coisas negativas. A criação de uma imagem gerada por nossa mente, é captada pelo cérebro físico como sendo "REAL". È dessa forma que funcionam as imagens mentais que são elaboradas para auxiliar as pessoas que desejam superar alguma dificuldade num sistema de auto-ajuda. A imagem positiva criada precisa de uma repetição até que ela seja 'fixada' pelo cérebro que afinal precisa reconhecê-la como real. A partir daí (normalmente os exercícios são feitos em 21 dias) o cérebro já reconhecendo a imagem mental como real, começa a modificar a estrutura energética ao redor da pessoa "atraindo o similar" ou seja, atraindo aquilo que foi criado por nossa mente. O similar atrai o similar, assim como o amor atrai o amor, o ódio atrai o ódio, o dinheiro atrai o dinheiro, etc... É claro que entre a criação da imagem e a materialização existe um lapso de tempo (tempo esse que existe somente na matéria) e muitas vezes é justamente esse lapso de tempo que faz as pessoas desistirem de sua criação.

Todos os terapeutas são unânimes em aconselhar pensamentos positivos aos seus pacientes! Então porque não começamos a controlar as imagens mentais que criamos? Projetarmos em nossa mente imagens de paz, harmonia, amor, abundância, felicidade e alegria, é a solução. Mas lembrem-se, nada é conseguido sem o duro trabalho da perseverança!

 

Segunda Lei Hermética: O Princípio da Correspondência

Esta semana continuaremos com nossas reflexões sobre as Leis Herméticas, que podemos chamar de Leis da Sabedoria, já que nos ensinam muito sobre os mistérios de nosso universo. Aconselho aos estudantes de hermetismo que não parem na superfície, na simples leitura do artigo, mas que procurem se aprofundar no conhecimento para poder beber da fonte dessa grande sabedoria.

O princípio da Correspondência nos ensina que:


É verdadeiro, completo, claro e certo.
O que está em cima é como o que está embaixo,
e o que está embaixo é como o que está em cima,
e por estas coisas fazem-se os milagres de uma coisa só.
E como todas as coisas são e provém de UM,
pela mediação do UM,
todas as coisas são nascidas dessa única coisa por adaptação.
O Sol é seu Pai, a Lua é sua Mãe, o Vento a trouxe em seu ventre e a Terra é sua nutriz e receptáculo.


Essa é somente uma parte do princípio que na realidade é bem mais complexo e serve de base para o estudo do Hermetismo e da Alquimia. Mas aqui queremos somente compreender como fazer dessa Lei Hermética uma ferramenta para nosso dia-a-dia. Este Segundo Princípio explica a verdade que existe na correlação e correspondência dos diferentes planos de Manifestação, Vida e Existência. Tudo o que está incluído no Universo emana de uma mesma fonte (SOMOS TODOS UM) e está sujeito às mesmas leis, princípios e características que, aplicadas à cada unidade, nos mostram a manifestação dos fenômenos que existem em cada plano.

A Filosofia Hermética considera o Universo dividido em três Grandes Planos de Manifestação:


1º - O Grande Plano Espiritual.
2º - O Grande Plano Mental.
3º - O Grande Plano Físico.


É claro que essas divisões são bastante arbitrárias, e os hermetistas consideram que existem, entre esses três Planos maiores, mais sete outros sub-planos entre cada um. Mas para nosso estudo basta compreender que, para se manifestar na matéria, uma energia primordial primeiro precisa ser gerada no plano Espiritual, ser forjada no plano Mental e se materializar no plano Físico. Quando falamos de plano também devemos compreender que não é uma dimensão ordinária de espaço, mas sim uma mudança de densidade no princípio de Vibração (Terceiro Princípio Hermético). Desde as manifestações mais elevadas até as mais baixas, todas as coisas vibram em diferentes coeficientes de movimento em diferentes direções e de diferentes maneiras. Os graus de medição na Escala de Vibração constituem a Quarta Dimensão. Nós já ouvimos alguém dizer (a sabedoria popular nunca erra) aquela pessoa tem uma vibração ruim, ou já nos aconteceu dizer: Esse lugar está carregado, sinto uma vibração ruim. Ruim quer dizer ‘inferior’.
O mais elevado grau de vibração constitui a mais elevada manifestação da Vida que ocupa um determinado plano. O átomo da matéria, a unidade de força, a mente do homem e a existência do arcanjo são ‘graus’ de escala e fundamentalmente a mesma coisa em diferentes planos: a diferença está somente no grau e no coeficiente de vibração. Afinal, todas são manifestação da Mente do Todo.

No Grande Plano Físico temos sete manifestações menores de energia: o mais sutil têm analogia com os fenômenos mentais, os mais densos são aqueles físicos visíveis a olho nu.

A Astrologia usa com sabedoria essa lei; de que forma?
Vamos imaginar que seu astrólogo lhe diz que você está passando por uma quadratura de Saturno. Isso mete medo, não é? Nada é mais hermético que a linguagem astrológica! Vamos ver: Saturno fecha um ciclo completo do Sol em cerca de 29,5 anos, formando a cada sete anos um aspecto consigo mesmo. Cada vez que ele fecha um ciclo completo, ele nos brinda com uma fase de amadurecimento. Mas antes de ‘fechar’ completamente um ciclo ele nos brinda com três pequenos períodos de crise: duas quadraturas e uma oposição (aos 7 – 14 – 21). Sabemos como essas idades são marcantes na nossa vida, não é? Bem, as quadraturas e oposições servem de vestibulares que nos ajudam a examinar os conhecimentos adquiridos nos últimos sete anos. No fechamento do ciclo (ou anel), aos 28,5 – 29,5 anos, acontece o encerramento de um momento crucial de crescimento na nossa vida. 29 anos, 59 anos, e 72 anos são momentos importantes na vida de cada um de nós. Os ciclos se fecham, inexoravelmente, sob a ação do Deus do Tempo.

Bem, mas o que isso tem a ver com o Princípio da Correspondência? Bem, o Astrólogo (aquele que lhe falou da quadratura de Saturno) vai lhe dizer também: Cuidado, a quadratura de Saturno provoca, dor nos joelhos ou dentes, sensação de empobrecimento, preocupações com o futuro, preocupações com a família, preocupações profissionais, etc. etc.. No plano físico, estas são todas manifestações da energia de Saturno (entre outras).

O que podemos fazer para ‘evitar’ ou ‘minimizar’ estas manifestações negativas no plano físico onde vivemos?

Primeiro: compreender sua natureza e suas correspondências nos vários planos
Segundo: mudar de vibração sempre em sua correspondência em cada um dos planos

Parece fácil, mas não é. Podemos aplicar o Princípio de que Tudo é Mente e usar nossa mente para fazê-lo. Mas isso requer muito estudo, muita compreensão e muita força de vontade. Ao compreender em que energia você está inserido neste momento de sua vida, você poderá mais facilmente fazer a analogia da Correspondência (sozinho ou com a ajuda de um bom astrólogo ou hermetista); depois você aprenderá a aplicar o Princípio da Vibração, mudando essa energia – se negativa – de plano e plano, de estado em estado, do mais denso ao mais sutil. Pelo contrário, se ela for positiva, aprenderá a usá-la a seu favor aproveitando em tudo e por tudo aquilo que o TODO está lhe proporcionando.

 

Terceira Lei Hermética: O Princípio da Vibração

Vocês já entraram num lugar onde a vibração não estava boa? Já saíram de uma festa porque o ambiente estava pesado? O que é na realidade essa vibração? Algo visível? Não, absolutamente, mas trata-se de algo perceptível especialmente às pessoas mais sensíveis. (Em astrologia os signos de Água são naturalmente os mais sensíveis, e os signos de Terra os menos sensíveis a essas vibrações).

Este princípio hermético declara:
Nada está parado, tudo se move, tudo vibra.

O movimento que é manifestado em todo o Universo é um movimento vibratório. A ciência já no século IXº fazia suas primeiras descobertas a respeito desse princípio de vibração, somente corroborado pelas descobertas mais recentes do século XX. O século XXI trará ainda mais confirmação daquilo que o Grande Hermes já afirmara e que está explicado nas Leis Herméticas. A Telepatia será desenvolvida na Era de Aquário como ferramenta de comunicação através da vibração da mente. Agora nós ainda precisamos de um celular (matéria física) para nos comunicarmos à distância. E quem sabe chegará um dia em que poderemos mudar a vibração do nosso corpo até podermos nos desmaterializar num lugar e nos materializar em outro. Mas isso está ainda muito longe de nossa realidade, pelo menos da grande maioria da humanidade.

Para compreendermos o Princípio da Vibração precisamos entender que O TODO se manifesta através de vibração. Mas esta vibração acontece em escala tão sutil e rápida que nos é praticamente imperceptível. Assim podemos concluir que o Espírito se manifesta através da vibração mais rápida e sutil e se propaga através do Éter (O Quinto Elemento). Consequentemente a Matéria possui uma vibração mais lenta e mais grosseira. Entre esses dois pólos de vibração, existem outros modos de vibração, numa escala com milhões e milhões de graus.

Diz o Caibálion: A ciência moderna já descobriu que o que chamamos de Matéria e Energia é simplesmente um modo de movimento vibratório, e já se estudam os fenômenos da Mente como sendo fenômenos vibratórios. Se lembrarmos que o Primeiro Princípio Hermético é o Princípio do Mentalismo - Tudo é Mente, o Universo é Mental - podemos concluir que a Mente se manifesta através da vibração, desde a mais sutil e rápida, até a mais densa e lenta.

Outra coisa que a ciência nos ensina é que as vibrações são procedentes da temperatura ou calor. Não importa se um objeto é quente ou frio, ao vibrar ele manifesta calor. O movimento vibratório é circular, ou seja, gira em volta de um núcleo central. Assim é com o átomo e assim é com os planetas. As moléculas das quais são compostas as espécies particulares da matéria se encontram em constante vibração e movimento, umas ao redor das outras.
Nós já vimos um desenho ou representação do átomo, não é? E ele não é parecido com um sistema solar? O Micro não é igual ao Macro? Aqui podemos então aplicar o Princípio da Correspondência: O que está em cima é como o que está em baixo.
Portanto, podemos aplicar este princípio em nossa própria vibração energética, na vibração de nossa mente e de nosso corpo físico.

A ciência moderna explica que a luz, o calor, o magnetismo e a eletricidade são formas de movimento vibratório, provavelmente emanadas do éter. Mas ela ainda não consegue explicar o princípio da coesão, ou seja, o princípio da atração molecular, e nem a afinidade química que é o princípio da atração atômica. E nem ela explica o principio da gravitação que é o princípio de atração pela qual uma partícula ou massa de matéria é atraída por outra partícula.

Agora podemos fazer uma analogia: se nós temos pensamentos negativos, nossa mente estará emitindo sinais vibratórios negativos, então, que tipo de vibrações estaremos atraindo para nós? Negativas, sem dúvida. Estamos cansados de ouvir isso, mas nossa mente continua a emitir sinais de ódio, raiva, inveja, frustração, etc., etc. Todas elas são vibrações negativas. Na realidade é bem fácil de comprovar este princípio: a guerra atrai a guerra, o ódio atrai o ódio e o dinheiro atrai dinheiro, não é? Pois é, mas amor atrai amor, bondade atrai bondade, prosperidade atrai prosperidade. Como fazer então para atrair tanta coisa boa para a nossa vida?

Penso que é muito difícil termos somente pensamentos e vibrações positivas o tempo todo! Ninguém é de ferro e todos temos frustrações, limitações, medos. Eles são como mecanismos de defesa que levantamos para nos defendermos das agressões do mundo exterior e esses mecanismos são forjados já primeira infância, no ambiente onde fomos criados. O nosso Mapa Astral indica onde e como, na fase lunar principalmente, preparamos as barricadas que irão nos defender no futuro e das quais iremos atirar nossas ‘pedras’ contra as agressões exteriores.

Vimos que a vibração se propaga através do éter, e os ensinamentos dos ocultistas e das filosofias orientais principalmente, nos ensinam a mudar e purificar essa substância, através de cerimônias: externas, com velas, incensos e aromas, cores suaves, ambientes harmônicos e em contato com a natureza; e internas, como meditações e vibrações de tranqüilidade, florais e aromaterapia, alinhamentos de chakras, mantras, e orações. Mesmo a homeopatia funciona através deste princípio. Os movimentos vibratórios mais rápidos sempre correspondem a energias mais sutis.

Vocês já viram uma roda ou um pião girando? Quando ele gira muito rápido ele parece até estar parado, mas à medida que sua rotação diminui, podemos ver sua rotação, notar seu movimento. Da mesma forma acontece com os sons: os sons mais agudos são dificilmente ouvidos por seres humanos, mas são perceptíveis aos ouvidos de certos animais. A mesma coisa acontece com os graus ascendentes de calor. Vocês sabem como funciona o forno de Microondas que vocês têm em casa? Já pararam para pensar como ele esquenta? Com ondas que vibram de forma muito rápida!

Eu acredito piamente que o fenômeno chamado de Ressurreição de Cristo aconteceu por um movimento de vibração: na realidade Jesus não “subiu” ao céu, mas desmaterializou-se pois seu corpo vibrou tão rapidamente até se tornar tão sutil que foi transportado pelo éter e se confundiu com ele, já que o próprio éter é o veiculo de manifestação do Espírito. Ele se tornou espírito ou substância etérea. Sem matéria e portanto invisível.

O Hermetismo nos ensina que a manifestação de pensamento, raciocínio, vontade, desejo não é nada mais que uma vibração manifestada: ela pode assim afetar a mente de outras pessoas! Por esta razão devemos ter muita cautela com nossos pensamentos pois, mesmo involuntariamente, estaremos espalhando vibrações similares àquelas que estão em nossa mente. Vibremos amor, receberemos amor, vibremos harmonia e estaremos em harmonia.

Com esforço e vontade podemos mudar nossas vibrações negativas, compreendendo quão poderoso é esse instrumento chamado de Mente: aplicar o Princípio da Vibração para atrair prosperidade, paz, bem estar, harmonia requer domínio da mente e disposição mental.
Os Hermetistas, em seu estágio mais evoluído, tornam-se Magos, por ter adquirido o domínio das Vibrações através da Vontade. A Arte da Transmutação Mental é chamada de Alquimia Mental.

“Aquele que compreende o Princípio da Vibração alcançou o Centro do poder”.


 

Quarta Lei Hermética: O Princípio da Polaridade

Quando sento no computador para escrever mais um artigo para a comunidade Vidanova o faço sempre com muito carinho e dedicação. É claro que ao transmitir um pouco do conhecimento que adquiri nesses anos de estudo, minha intenção é compartilhá-lo com vocês todos. Assim, mais uma vez, nesse frio dia bem paulista, vou tentar conversar um pouco com vocês, e hoje, para continuar nosso estudo sobre As Leis Herméticas, ou Leis da Sabedoria, tentarei explicar o Principio da Polaridade que constitui a Quarta Lei Hermética.
Não devemos - porém - perder de vista as leis anteriormente explicadas porque uma é decorrente da outra e o raciocínio deve ser contínuo e holístico para alcançar o TODO.

A Lei da Polaridade declara:
Tudo é duplo, tudo tem dois pólos; tudo tem seu oposto; o semelhante e o dessemelhante são uma só coisa; os opostos são idênticos em natureza, mas diferentes em graus; os extremos se tocam, todas as verdades são meias-verdades; todos os paradoxos podem ser reconciliados – O Caibalion

Esta lei transmite noções bastante variadas e complexas, mas todas elas facilmente compreensíveis e verificáveis. Primeiramente devemos compreender que tudo o que é manifestado possui dois lados, dois aspectos, dois pólos opostos com muitos graus de diferença entre os dois extremos. No hermetismo se considera que a diferença entre coisas que se parecem diametralmente opostas é simplesmente uma questão de graus de vibração (Ver a Lei da Vibração). Todos nós sabemos que, para que a eletricidade se manifeste, ela precisa ter dois pólos, um negativo e o outro positivo. Assim é para a natureza, que se manifesta em feminino e masculino, nos reinos animal e vegetal, e, creia-me, até no reino mineral. A escala de cores que é perceptível aos nossos olhos é uma vibração em diferentes graus da emissão da luz, e suas manifestações vão desde o violeta superior até o vermelho inferior. O termômetro marca os graus da temperatura, chamando-se o pólo mais baixo de frio e o pólo mais elevado de calor. Entre estes dois pólos existem muitos graus de vibração que nós oferecem a sensação de calor ou frio. Mas é interessante notar que não há uma demarcação absoluta (mesmo se existe uma convenção que indica o 0º como linha de demarcação - e de congelamento - da água). De fato, se para nós a sensação de frio pode ser sentida quando o termômetro alcança os 10º, para os esquimós a mesma temperatura pode representar Um quente dia de verão, não é?

A Luz e a Obscuridade também são manifestações da mesma realidade com muitos graus entre elas. A escala musical também, e também o ruído e o silêncio, o duro e o flexível, o doce e o amargo. No plano mental podemos afirmar que o Amor e o Ódio são simplesmente manifestações de uma mesma essência, pois são manifestações diferentes em graus de um mesmo sentimento.
Com este fato em mente, e sabendo que podemos aplicar o Princípio da Vibração, é possível transmutar um estado mental de um plano inferior para um plano superior conforme as linhas de Polarização. Elevando sua vibração na linha do medo, pode-se alcançar a coragem, e elevando sua vibração na linha do sentimento, pode-se alcançar o amor universal. No plano físico também é possível modificar o frio em calor, a inquietude em tranqüilidade, com algumas técnicas especiais que foram desenvolvidas especialmente pelos orientais. Conheci pessoalmente um mestre Zen que podia até mudar a freqüência cardíaca deixando pasmados os médicos ocidentais!

Podemos também acrescentar que podemos mudar a freqüência mental de outra pessoa através da Influência Mental. Talvez seja dessa forma que age O poder da oração quando, mesmo a distância, pode curar uma pessoa que desconhece completamente que existem outras pessoas que estão orando (E vibrando positivamente) em seu favor. Dessa mesma forma pode se obter a cura física e mental através da cromoterapia, por exemplo, pois sabemos que as cores são vibrações em diferentes graus. Uma inflamação (que se manifesta no vermelho e tem analogia com o planeta Marte) pode ser curada com a imposição de uma luz azul (mais fria e com vibração superior em graus), ou verde ou violeta, dependendo do órgão atingido. Assim acontece na escala dos chakras onde sabemos que o vermelho tem correspondência com o chakra básico (cuja vibração é inferior) e o violeta com o chakra coronário (cuja vibração é superior).

É claro que para induzirmos a nossa própria mudança de vibração precisamos de muito exercício, estudo e meditação. E os resultados são obtidos tão lentamente que muitas vezes nos desanimam! É difícil para uma pessoa naturalmente nervosa viver de forma tranqüila, retirando completamente a ansiedade de seus pensamentos. Mas com as técnicas apropriadas isso pode ser conseguido, se não completamente, pelo menos Um grau por dia até conseguir alcançar o resultado desejado.
O astrólogo usa essa lei de maneira específica quando analisa os trânsitos planetários (vibrações planetárias atuantes sobre a pessoa num determinado momento e lugar) e pode indicar também a forma mais adequada para mudar de grau em grau uma vibração negativa em positiva para minimizar seus efeitos, se não for possível eliminá-los completamente.

Vejamos, por exemplo, como funciona a manifestação que chamamos de RAIVA:

O CAMINHO ENERGÉTICO DA RAIVA E SUAS MANIFESTAÇÕES

As Fúrias (eram assim chamadas na antiga Grécia) são frustrações guardadas interiormente no nosso subconsciente e prontas para explodir e se manifestar.
No Mapa Natal são indicadas pelos aspectos dos seguintes planetas que influenciam o caráter da pessoa e sua conseqüente manifestação:

Quente = Grau vibratório inferior: (Marte) = Explode de forma visceral, animal e verbal.

Fria = Grau vibratório intermediário: (Saturno) = esfriamento = implode em ressentimento. Controla e inibe esta emoção, não a expressa e se torna mordaz. Há dor e bloqueio.

Mais Frio, Gelado = Grau vibratório superior: (Plutão) = gelado = cristalizado = torna-se ódio. É destrutivo e incontrolável. Pode até provocar câncer. A sensação transmitida por Plutão é de medo e terror. Ele representa o baú inconsciente onde guardamos a raiva, e seu caminho se manifesta quando este planeta está em contato com a Lua e sobe à consciência quando em contato com o Sol.

A negação do sentimento de raiva (ódio-amor-frustração) serve de proteção contra o medo e abre o mecanismo de defesa. Os pólos se manifestam em:
Poder <> Controle
Controle <> Entrega

 

Quinta Lei Hermética: O Princípio do Ritmo


Tudo tem fluxo e refluxo; tudo tem suas marés; tudo sobe e desce; tudo se manifesta por oscilações compensadas; a medida do movimento à direita é a medida do movimento à esquerda; o ritmo é a compensação - O Caibalion

Este princípio nos revela uma grande verdade: um movimento num sentido terá um outro movimento proporcional no outro sentido. O principio do Ritmo está em relação direta com o princípio da Polaridade, explicado na Quarta Lei Hermética. O ritmo se manifesta entre os dois pólos, de um lado para outro e seu movimento oscilatório é sempre proporcional. Vocês já ouviram falar do Pendulo de Foucault? Esse enorme pêndulo (uma esfera de cobre dependurada num fio, na experiência do físico francês Foucault e descrita no romance homônimo do italiano Umberto Eco) foi dependurado na voluta de uma igreja e sua ponta inferior desenhava um movimento oscilatório sobre uma base de areia: isso demonstrava claramente o movimento rítmico do nosso globo terrestre. O Pêndulo Universal sempre está em movimento; ele vibra dia após dia, para frente e para trás, num sentido do outono e inverno e no sentido inverso na primavera e verão.
E o principio do Ritmo é também compreendido e explicado pela ciência considerando-se essa lei universal aplicada às coisas materiais.

Os hermetistas porém levam o princípio muito além, e conhecem as manifestações dessa Lei, não somente nas coisas físicas, mas também nos estados emocionais e mentais do Homem. Isso explica a sucessão de contínuas mudanças nas condições, estados e emoções que podemos observar em nós mesmos. Se hoje nos encontramos num enorme estado de euforia, podemos esperar uma grande depressão amanhã. Se um dia cometemos um exagero, qualquer que ele seja, no dia seguinte estaremos sentindo o resultado desse exagero! Um enorme esforço, causa um enorme cansaço, etc. etc.

Analisando este princípio podemos compreender que ele se manifesta na criação e destruição dos mundos, na elevação e queda de regimes políticos, no poder e destruição de ditadores e de nações poderosas. Tudo tem fluxo e refluxo, seja no Macrocosmo que no Microcosmo. Na manifestação do Espírito Puro que chamamos O TODO, existem a Efusão e a Infusão, ou a Expiração e a Inspiração de Brahma como dizem os hindus. Os Universos são criados, se expandem até chegar no seu ponto máximo, e depois que atingem sua maior força, se tornam massa inerte, esperando outro impulso para começar novamente um novo ciclo, dessa vez no sentido inverso. Da mesma forma faz o ser humano que ao nascer enche os pulmões de ar começando o eterno fluxo e refluxo da respiração. Este é um reflexo instintivo, não comandado pelo cérebro, porque ele é submetido à Lei Natural do Ritmo.
Na nossa vida experimentamos períodos de vacas gordas e de vacas magras, de grandes alegrias e grandes tristezas, de expansão e retração. Isso acontece em todos os campos físicos. Mas como escapar dessa Lei implacável?

Os hermetistas conhecem a Lei do Ritmo e a neutralizam no plano mental para poder escapar à vibração constante desse Pêndulo rítmico que se manifesta nos planos inferiores. Eles usam a Lei da Neutralização para conseguir chegar a um estado de não vibração, de neutralidade. Esse é um estado mental que é conseguido através de exercícios de meditação e harmonização, controle da respiração e outras técnicas. A Ioga, por exemplo, nos oferece uma ótima ferramenta para alcançar essa harmonia, não realmente neutralizando o ritmo, mas compreendendo seu fluxo e refluxo e controlando os estados alterados mais importantes para procurar alcançar a harmonia. Mantendo a mente acima da vibração inferior (a vibração mais grosseira), podemos neutralizar as forças negativas que nos influenciam. Para que isso ocorra é necessário o uso da Vontade, do Equilíbrio e da Firmeza, e isso não se consegue num só dia! A compreensão deste controle dará à pessoa uma ferramenta magnífica para poder neutralizar os efeitos negativos dos ritmos emocionais extremos, levando ao domínio das emoções e a um conseqüente equilíbrio interior. Desta forma alcançamos a tranqüilidade, a harmonia e a saúde, física e mental.

Sabemos que a medida do movimento à direita é a medida do movimento à esquerda: o ritmo é a compensação. Vemos isso no movimento das marés, na mudança das estações, e em outros fenômenos da natureza: um inverno rigoroso anuncia um verão ardente, uma árvore que dá muitos frutos num ano, no ano seguinte não dará nenhum! A Lei do Ritmo é sempre seguida pela Lei da Compensação.

Podemos também continuar nossa reflexão falando da cadeia das encarnações. Os hermetistas consideram que uma encarnação de sofrimento é seguida de uma encarnação de felicidades, ou seja, o grau de sofrimento precedentemente experimentado será compensado pelo grau de alegrias da encarnação subseqüente. E vice-versa. Podemos assim compreender melhor muitos acontecimentos que seriam de outra forma difíceis de explicar e aceitar. Mas ao nos elevar espiritualmente no Plano Superior, compreendendo espiritualmente os efeitos da Lei, podemos nós mesmos neutralizar sua ação, com a Lei da Compensação. A Lei da Compensação está sempre em ação, esforçando-se para balançar e contra-balançar o efeito do Ritmo e sempre virá no tempo certo, mesmo sendo necessárias várias vidas para acionar o movimento de volta do Pêndulo.

O astrólogo hermetista pode aplicar a Lei do Ritmo para explicar os ciclos planetários (por exemplo, o ciclo de sete anos do planeta Saturno) e também pode orientar o seu cliente a utilizar a Lei da Compensação assimilando os princípios correspondentes ao signo oposto ao seu, de forma a neutralizar os aspectos mais difíceis de seu próprio signo. Alcançar o TAO, ou a energia do Caminho do Meio é a meta principal.

 

 

Sexta Lei Hermética: O Princípio da Causa e Efeito
Essa Lei é também chamada de Lei do Carma.

A Lei diz:
Toda Causa tem seu Efeito; todo o Efeito tem sua Causa; todas as coisas acontecem de acordo com a Lei: o Acaso é simplesmente um nome dado a uma Lei não reconhecida. Existem muitos planos de causalidade mas nenhum escapa à Lei.

Este princípio hermético contém uma grande verdade que torna possível a compreensão de todas as leis que regem o nosso Universo: ele explica que nada acontece por acaso, que não existe o acaso, e que acaso é simplesmente um termo dado a um fenômeno existente e do qual não conhecemos a origem e portanto não reconhecemos nele a Lei à qual se aplica. Este Princípio Hermético é um dos mais polêmicos, pois também implica no fato de sermos responsáveis por todos os nossos atos. No entanto, este princípio é aceito por todas as filosofias de pensamento, desde a antiguidade. Não reconhecer esta Lei torna nulos os pensamentos filosóficos antigos ou atuais que subtraem os fenômenos do universo de uma Ordem cósmica imutável. A ciência às vezes não explica um determinado fenômeno, pois não sabe em que Lei ele se aplica, mas reconhece, no entanto, que precisa existir uma ordem para ele.
Não reconhecer a Lei de Causa e Efeito é como dizer que algo (qualquer coisa materializada e existente) pode ser independente, pode ser subtraída de forma inexplicável desse universo fenomenal, pode não ser submetido à Lei Universal.
Tal coisa seria então superior ao TODO? Ou seria o próprio TODO que se subtrairia a esta Lei? A existência de tal coisa tornaria então sem efeito todas as Leis Naturais e mergulharia o universo na desordem e no caos. Vocês imaginam o que aconteceria se de repente as galáxias, os sistemas solares, os planetas, tudo o que existe se subtraísse de repente a esta Ordem Invisível e começasse a enlouquecer?
Mas vamos falar do ACASO. Esta palavra tem em sua raiz a palavra ‘cair’, (do latim ad-cado, verbo cadere=cair) que dá a idéia de que um acontecimento fruto do acaso ‘cai’ de repente, assim do nada, sem nexo nem ordem. É nesse sentido que normalmente empregamos este termo. Assim, podemos dizer que se você jogar os dados ao ‘acaso’ eles caem de qualquer maneira, sem nexo nem ordem. Mas sabemos que jogadores experientes (e mesmo matemáticos) conseguem prever com uma certa lógica a seqüência na própria queda dos dados. Existe uma espécie de seqüência que faz que eles caiam de uma determinada maneira. Difícil de se compreendida, mas existente. Então, não existe acaso. Tudo obedece à Lei. Sempre há uma Causa e um Porquê para todos os acontecimentos.

Bem, mas no nosso caso, vamos examinar o que chamamos de Lei do Carma, à qual atribuímos todos nossos males e que tanto nos faz sofrer, inutilmente. Muitas vezes escuto a pergunta: Mas para que serve a Lei de Causa e Efeito se a Causa acontece numa encarnação e o Efeito na outra? Não vou me lembrar mesmo! Bobagem! Nós lembramos, ou melhor, nosso espírito lembra. Nossa mente racional não quer acreditar na intuição, intuição essa que é fruto da sugestão que o espírito nos transmite. E o espírito SABE! Nós é que não escutamos! Nossa mente (que os cabalista chamam de Lúcifer pois ela nos trai com seus pensamentos racionais) não quer dar ouvidos à nossa intuição, vinda do nosso EU INTERIOR.

Assim, nada acontece sem uma Causa, ou mesmo sem uma cadeia de causas. Nossos atos ordenam a eventualidade dos futuros acontecimentos, assim como eles são o fruto dos acontecimentos precedentes. Nenhum evento cria outro; ele faz parte simplesmente de um elo precedente na grande cadeia ordenada de eventos procedentes da energia criativa do TODO (O Caibalion).
Vamos raciocinar, nenhum evento cria outro quer dizer que há uma continuidade em todos os acontecimentos (anteriores e posteriores) mesmo não diretamente ligados a um determinado ato. Exemplo: Uma pedra cai de um lugar montanhoso elevado e quebra o teto de uma cabana lá no vale. A principio podemos considerar este acontecimento como um fato casual, mas podemos, com um pouco de raciocínio, perceber que ele é fruto de uma cadeia de fatos: a chuva que amoleceu a terra, que deslocou a pedra, a falta de arvores para sustentar a terra, a erosão, etc. etc. É uma cadeia de acontecimentos ou não?
Da mesma forma acontece na cadeia das encarnações. Não é absolutamente correto dizer que o que acontece nesta encarnação é conseqüência da precedente! Não acontece tudo de forma tão direta! Inúmeras são as variantes, mas todas se submetem à Lei. Esta é uma Verdade. Tudo tem um Propósito, lembram? E, de qualquer maneira, nossos atos podem ser também subseqüentes a atos procedentes NESTA MESMA ENCARNAÇÃO e não na precedente, não é mesmo? Sabemos que aprendemos com nossos erros, pelo menos se formos um pouquinho inteligentes! E se cuidarmos para não cometer erros nos livraremos de sofrimentos futuros.

Quando trabalhamos com consciência nossa encarnação atual nos tornamos mais atuantes quanto ao nosso destino individual. O Conhecimento nos leva a atuarmos de forma direta, a nos tornarmos responsáveis pelos nossos atos. Ao fazer uma análise de Mapa Astrológicos Cabalístico costumo dizer aos meus clientes que devemos sair do Destino Coletivo para ingressarmos no Destino Individual e, se possível, desenvolvermos nossa Consciência Individual para no final, como o Cristo, o Buda e outros Mestres, chegarmos a encontrar a Consciência Cósmica. Este é o Caminho, essa é a Senda. Quando tomamos as rédeas de nosso destino, quando evoluímos de forma consciente, sem querer nos esquivar das Leis Universais, estamos de alguma forma cumprindo o Propósito do Plano Superior.

Não quero me alongar sobre o assunto do Livre Arbítrio que entra em jogo quando falamos de evolução cósmica consciente. Mas é um fato que, se cuidarmos de nossa palavras, de nossos atos e de nossos pensamentos, se nos tornarmos Senhores de nosso Destino, podemos tomar as rédeas de nossa vida para não nos tornar simples peões ou dados jogados ao acaso pela Lei de Causa e Efeito. Os Mestres não escapam à Causalidade dos planos mais elevados, mas concordam com as Leis Superiores, as reconhecem e agem de acordo, dominando assim as circunstâncias nos planos inferiores. Eles, os Mestres, conhecem as regras do jogo e não procuram se esquivar (nem o Cristo se esquivou de seu martírio na cruz!) e se propõem a seguir o Grande Plano sem fugir às conseqüências como simples instrumentos do TODO. Quando servimos o Plano Superior podemos atuar e governar o Plano Inferior ou Material.

 

 

Sétima Lei Hermética: O Princípio do Genero
Diz o Caibalion: O Gênero está em tudo: tudo tem seus princípios Masculino e Feminino; o gênero se manifesta em todos os planos da criação.

Este princípio lembra e complementa a Lei da Polaridade, Quarta Lei Hermética. Ele nos explica que tudo o que é manifestado na natureza está sujeito ao gênero, no seu sentido hermético. A palavra Gênero é derivada da raiz latina generare que significa gerar, procriar, produzir. Assim podemos compreender que, se esta Lei nos explica algo sobre o sexo, ela nos explica também toda a vida orgânica do jeito que a conhecemos, mas também nos explica toda a manifestação criativa, ou seja, relativa à criação. A base da matéria, como a ciência a conhece, também está sujeita a este princípio hermético: ao estudarmos as combinações entre os corpúsculos, íons e elétrons, compreendemos que para que uns girem em torno dos outros eles precisam ser de alguma forma de dois gêneros: alguns negativos e outros positivos. Assim, o pólo negativo é identificado com o feminino e o positivo é identificado com o masculino. O primeiro atrai e o segundo repele. É assim com os pólos terrestres.

Os termos positivos e negativos não podem ser entendidos de maneira errada: numa bateria elétrica o pólo negativo é aquele que na realidade gera e produz as novas formas de energia. É importante salientar que não devemos a princípio considerar que o negativo tenha um sentido pejorativo. Os termos positivo e negativo nada têm de bom ou de ruim, pois sua manifestação é de igual necessidade para a criação. Por essa razão os cientistas usam a palavra catódico, para que não aja um subentendido de valor negativo nesta ação de gerar. O pólo catódico ou negativo é o Princípio Materno dos fenômenos elétricos e das formas sutis da matéria, assim como o pólo negativo do sexo, o feminino, é o princípio gerador da forma. O pólo negativo possui o impulso natural de buscar a união com o pólo positivo para poder criar novas formas. Nenhum dos dois pólos é capaz de criar sem o outro. É de suas uniões e combinações que se manifestam os diversos fenômenos da luz, do calor, da eletricidade, do magnetismo, da atração e repulsão, da afinidade ou inversão química, e outros fenômenos semelhantes. Esta é a Lei. E ela pode e deve ser aplicada ao sexo, ao gênero humano, mas não somente a ele.

O Gênero está em ação constante e se manifesta através da matéria inorgânica e através da matéria orgânica. Através da Teoria Elétrica do Universo explicamos como as partículas se atraem e repelem constantemente criando novos fenômenos da eletricidade. Da mesma forma que os princípios de atração e repulsão não existem por si só, mas somente um em relação ao outro, podemos concluir que o amor e o ódio também não podem existir um sem o outro. Várias são as formas de manifestação dessas energias, mas elas são sempre duplas e complementares.

Vamos examinar como esta Lei Hermética funciona no Plano Mental. A antiga filosofia hermética conhecia os fenômenos da mente dual. No princípio masculino da mente temos a mente consciente, a mente voluntária, a mente ativa, ou seja, todas as manifestações mentais relacionadas com o lado Yin da nossa atividade mental. No princípio feminino temos a mente subjetiva, a mente subconsciente, a mente involuntária, a mente passiva, etc., ou seja, todas as manifestações relacionadas com o lado Yang de nossa atividade mental.

Se considerarmos este princípio no plano mental, podemos deduzir que os pensamentos também podem ser negativos ou positivos: sabemos que o cérebro possui dois lados, um mais positivo e ativo e outro mais feminino e receptivo, e por esta razão precisamos mudar a polaridade de nossos pensamentos para atrair as coisas que precisamos. Na realidade, vocês podem observar que a lei do gênero faz com que o gênero feminino atraia o masculino, mas todos nós sabemos que não existe feminino absoluto ou masculino absoluto. Dentro do feminino (Yin) existe uma pequena parcela de masculino (Yang) e vice-versa. Assim, aquela pequena parcela de masculino contida no feminino irá atrair o masculino por similaridade, ao mesmo tempo em que o feminino irá atrair o feminino pela mesma razão. Em muitas manifestações orgânicas o masculino e o feminino existem, coabitam e se manifestam ao mesmo tempo. No estudo da Cabala consideramos que cada Sefira possui ambas as energias em manifestação, a negativa e a positiva, ou seja: uma sefira é negativa para a sefira superior (ou anterior) e positiva para a sefira inferior (ou posterior), permitindo a atração e o fluir da energia de uma para a outra. Sem este princípio não haveria manifestação em Malkuth, o Reino.

Vamos então considerar que no Plano Mental, (lembrem-se do Primeiro Princípio Hermético – link ao final) podemos usar sempre essas duas forças: isto é, podemos aplicar a Lei do Gênero para encontrar dentro de nós aquela parcela que está em menor quantidade, e através dela, atrair uma energia similar. Este princípio é muito aplicado nas cerimônias mágicas e cabalísticas para neutralizar as energias indesejadas e atrair as desejadas.

Vamos então começar a controlar nossos pensamentos, dirigindo-os conscientemente para as energias que desejamos atrair em nosso dia a dia. Por outro lado, controlemos também as palavras, que nada mais são que energia manifestada através do verbo e que exercem um poder de atração enorme através da Lei do Gênero.